Way2Blog

Tudo sobre gestão de energia e o setor elétrico!

Por Greyci Girardi, redatora na Way2 | 21 fevereiro, 2020 | 0 Comentário(s)

PLD Horário: o que é?

A iniciativa da Câmara de Comercialização de mudar a forma de cálculo com o pld horário veio para trazer mais flexibilidade e competitividade ao setor elétrico. A principal diferença é que a energia será precificada diariamente e em base horária, deixando de ser calculada em frequência semanal e em patamares.

Sem tempo para ler o artigo? Ouça aqui:

pld energia

Assunto em alta no setor elétrico, o PLD Horário está longe de ser um consenso. Especialistas apontam vantagens e preocupações e agentes tentam identificar como se adequarão ao novo cenário.

Diante de toda a discussão, é importante entender o que realmente muda, que impacto essas mudanças acarretam e qual o melhor posicionamento diante do novo modelo do PLD energia.

PLD (Preço da Liquidação  das Diferenças): como funciona?

Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) é calculado para valorar a energia liquidada no Mercado de Curto Prazo, onde são contabilizadas e liquidadas as diferenças entre a energia contratada e os montantes realmente gerados ou consumidos pelos agentes da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Atualmente, o PLD funciona da seguinte forma:

  • Toda sexta-feira, a CCEE divulga um preço que será válido para a semana seguinte, considerando três patamares – leve, médio e pesado, em cada submercado do sistema elétrico brasileiro (Norte, Nordeste, Sudeste/Centro-Oeste e Sul). Os patamares correspondem, respectivamente, a um baixo, médio e alto consumo de energia.
  • O cálculo é feito por meio de dois modelos computacionais e considera algumas variáveis, entre elas: consumo previsto, armazenamento, afluência de chuvas nas áreas de reservatório de hidrelétricas e carga do sistema.
  • Ao final de cada mês, realiza-se uma média ponderada, conhecida como PLD mensal. As contratações no Mercado de Curto Prazo se baseiam no PLD Mensal, podendo ter um ágio ou deságio por parte dos vendedores, a depender do tipo de energia contratada, se convencional ou incentivada.

O modelo vigente foi construído para uma matriz com alta predominância das fontes hidráulicas, em que há menor variação e maior previsibilidade. 

Com o aumento da participação de fontes renováveis intermitentes na matriz energética brasileira, como a solar e a eólica, veio a iniciativa da Câmara de Comercialização de mudar a forma de cálculo, para trazer mais flexibilidade e competitividade ao setor.

O que muda com o PLD Horário?

A principal diferença é que a energia no Mercado de Curto Prazo será precificada diariamente e em base horária, deixando de ser calculada em frequência semanal e em patamares (pesada, média e leve). Os benefícios esperados do PLD Horário são:

  • Preços mais próximos do custo real de operação do Sistema Elétrico: acredita-se que haverá mais correspondência entre os preços praticados e o comportamento real da operação do sistema;
  • Distribuição mais justa dos custos: agentes que podem gerar mais ou consumir menos nos momentos em que o sistema mais precisa seriam favorecidos;
  • Redução do Encargo de Serviço do Sistema (ESS): simulações feitas pela CCEE em 2017 indicaram uma redução de R$ 139 milhões para R$ 2 milhões no encargo gerado pelas térmicas despachadas fora da ordem de mérito;
  • Novas oportunidades de negócio: resposta à demanda, geração distribuída , programas de armazenamento de energia, como bancos de bateria e carros elétricos, entre outras possibilidades.

Já em relação às preocupações que cercam a mudança, alguns agentes questionam se o setor está pronto e maduro o suficiente para a transição. Há o entendimento de que é preciso modernizar o setor elétrico, mas há dúvidas sobre o momento ideal de se aplicar o novo cálculo. 

Alguns agentes apontam também que usinas com geração maior de madrugada, por exemplo, seriam prejudicadas, pois o preço calculado em base horária tenderia a ser menor devido à baixa demanda.

Ainda carece de confiança também, entre parte dos agentes, o programa computacional que irá fazer os cálculos do PLD Horário, o Dessem, desenvolvido pela Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico (CPAMP). 

Espera-se, além da credibilidade nos preços calculados, que haja transparência na formação dos valores.

PLD Horário e Preço Sombra

Justamente por causa das incertezas sobre o melhor momento para colocar em vigência o PLD horário e sobre a segurança dos cálculos feitos pelo Dessem, a CCEE implantou, desde dezembro de 2018, o “Preço Sombra”, um período de teste do PLD horário, enquanto o mercado continua operando com o preço semanal por patamar. 

Assim, a CCEE faz e publica a contabilização “sombra” do PLD do dia seguinte e em base horária, ao mesmo tempo em que mantém o cálculo semanal oficial. Com isso, os agentes podem observar como se comporta o novo modelo e avaliar os impactos da mudança sobre os seus negócios.

Como dito, ainda se está longe de haver um consenso sobre os prazos para adoção do PLD horário no Brasil e sobre alguns regramentos que incidirão sobre o novo modelo, inclusive na comercialização da energia. 

Para os grandes consumidores, a mudança poderá representar oportunidades, desde que haja maturidade no processo de tomada de decisão na gestão de energia e um adequado planejamento que leve em consideração todas as variáveis do novo modelo. 

O setor elétrico passa por transformações e sua modernização pode ser acompanhada de novos negócios, para aqueles que souberem se adequar e planejar.

Mercado Livre de Energia

Deixe seu comentário!

Assine nosso blog ;)

Mantenha-se atualizado sobre o que está acontecendo quando o assunto é energia